doenças comuns que afetam a fertilidade feminina - Clinifert

Doenças comuns que afetam a fertilidade feminina

Existem diversas razões para a dificuldade de engravidar. Nem sempre é fácil identificar qual a causa principal ou decisiva. Pode ser algo relacionado à fertilidade feminina, masculina e, até mesmo, uma combinação das características de ambos.

Quando se leva mais de um ano tentando conceber um bebê sem sucesso, com relações sexuais frequentes, vale a pena investigar. Procure um atendimento médico e solicite o diagnóstico de fertilidade feminina. Nessa avaliação, é feito um levantamento detalhado a respeito da saúde da mulher e de seu histórico ginecológico.

Nesse processo, são investigadas as possibilidades que interferem nas chances de gravidez. Em relação à fertilidade feminina, existem doenças comuns que afetam a concepção e que devem ser observadas para dar o tratamento correto. Essas enfermidades podem afetar, principalmente, o útero, as tubas uterinas e os ovários. Veja quais são:

Fertilidade feminina e a endometriose

É a principal causa associada à infertilidade feminina. Estima-se que 40% das mulheres com problemas de fertilidade tem endometriose. Nem toda mulher com endometriose será infértil, mas um terço delas tem dificuldades de engravidar. De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, de 10 a 15% das mulheres em idade fértil – 15 a 49 anos – tem endometriose. Isso representa cerca de 7 milhões de brasileiras.

O endométrio fica na parte interior do útero; é um tecido que descama a cada mês quando não há gravidez. A doença que se caracteriza pela presença de endométrio em outras partes do corpo, seja nos órgãos reprodutores ou não. O mais comum e prejudicial à fertilidade feminina é quando acomete as trompas, ou quando está associada a alterações hormonais que tornam a gestação mais difícil.

Fatores relacionados aos óvulos ou à ovulação

Para a fertilidade feminina, são necessárias a produção e a liberação de um óvulo, num processo conhecido por ovulação. Entre as desordens que podem ocorrer nessa etapa, estão a ausência ou a falta de periodicidade na produção de óvulos. Calcula-se que a anovulação responde por 25% a 50% das causas de infertilidade feminina. Conheça algumas:

Síndrome dos ovários policísticos: é um desequilíbrio hormonal que afeta a ovulação, uma das patologias mais comuns. Pode ter como sintomas a falta de menstruação por mais de três ciclos (amenorreia), o crescimento de pelos em partes do corpo mais comuns aos homens (hirsutismo), obesidade e a presença de múltiplos e pequenos cistos nos ovários.

O diagnóstico é feito por meio de exames, como a ultrassonografia – para checar os ovários – e a coleta de sangue – para avaliar o nível de diversos hormônios, como testosterona, androstenediona, prolactina, insulina, entre outros.

Disfunção no hipotálamo: dois hormônios produzidos pela glândula pituitária (ou hipófise) são responsáveis pela ovulação a cada mês: FSH e LH. O excesso de exercícios físicos, o estresse emocional, grande perda ou ganho de peso podem interferir na produção desses hormônios, o que prejudica a ovulação.

Insuficiência ovariana prematura: também conhecida como menopausa precoce, ocorre quando mulheres abaixo de 40 anos deixam de ovular. As causas podem ser doenças autoimunes, origem genética, tratamento por quimioterapia, infecções, entre outras.

Excesso de prolactina: a hiperprolactinemia reduz a produção do estrogênio, o que pode afetar a fertilidade feminina. Doenças que afetam a tireóide – como o hipotireoidismo – também têm consequências semelhantes.

Alterações tubárias

Danos nas trompas podem impedir que o esperma alcance o óvulo, ou então que o óvulo fecundado passe para o útero. As causas dos danos ou bloqueios podem ser:

Infecção pélvica: são doenças causadas por bactérias, como a clamídia, a gonorreia e outras doenças sexualmente transmissíveis. Podem ser tratadas com antibióticos.
Cirurgias anteriores: realizadas na região pélvica ou no abdome, incluindo as de gravidez ectópica, ou seja, geradas fora do útero.

Causas uterinas ou cervicais

Para se desenvolver, o embrião precisa penetrar no endométrio, que é a parte interna do útero. Falhas hormonais podem prejudicar essa implantação. São fatores mais raros, e podem causar abortos repetidos.

Miomas: pólipos benignos são comuns. Podem bloquear as trompas ou dificultar a implantação. Entretanto, muitas mulheres conseguem engravidar apesar dessa condição.
Malformações: são congênitas, e podem dificultar a implantação ou causar o abortamento.
Sinéquias uterinas: são cicatrizes que distorcem a cavidade uterina, geralmente causadas por curetagem ou infecções.

Como vimos, as causas que interferem na fertilidade feminina são diversas. Algumas apresentam sintomas bastante claros; outras, nem tanto. É por isso que vale ficar atenta aos sinais de seu corpo e investigar o que pode causar a demora na concepção de um bebê. Muitas vezes, há tratamentos que tornam possível a realização do sonho de gerar um filho. Busque informação e veja qual o seu caso.

Quer saber mais sobre reprodução assistida? Agende uma consulta e tire todas as suas dúvidas!

Baby photo created by freepic.diller – www.freepik.com

Sobre o autor

0 respostas

Deixe seu comentário

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts recentes

Facebook